JESUS E A ESPERANÇA

JESUS E A ESPERANÇA

23/04/2020 Juventude 0

Após a última ceia, Jesus ainda encontrou tempo para ministrar alguns ensinamentos, mesmo sabendo que em poucas horas seria preso, torturado e morto.

Em uma situação dessas, qualquer pessoa se sentiria ansiosa, temerosa, angustiada, até mesmo paralisada, com os pensamentos perdidos e desconexos, sem saber o que fazer. Isso se não desmaiasse, tamanho o choque emocional que sentiria.

Mas não Jesus!

Para demonstrar a sua tranquilidade, ele disse aos apóstolos: “não se turbe o vosso coração”. Em outras palavras: não perturbe o seu coração.

Uma frase tão curta, dita em um momento de alta carga dramática, encerra em si mesma uma profunda lição de esperança.

Esperança!

A esperança é um sentimento calmo que impede o coração de temer qualquer problema.

Na verdade, a esperança é uma confiança extremada de que qualquer situação que se apresente, pode ser contornada com calma.

Essa confiança é tão forte que faz nascer uma coragem inusitada. Não uma coragem impulsiva e agressiva, mas uma coragem inteligente, aquela que analisa, raciocina e decide baseada em fatos, sem preconceitos ou precipitações.

Por causa dessa coragem, a pessoa age de forma a afastar qualquer situação embaraçosa de maneira suave, sem brigas, gritos, violência.

São atitudes tão positivas que geram frutos não só para si, mas também para comunidade a sua volta.

Essas atitudes são tão firmes, embora calmas, que são capazes de gerar ainda mais esperança, o que leva a mais ações benéficas e, nesse ciclo virtuoso, a Fé se consolida.

A Fé nada mais é do que a esperança que trabalha calma, confiante, engajadora, livre de ideias violentas, firme nos propósitos de espalhar o bem a todos. Fé não se conquista sem esperança. Esperança não se conquista com um coração perturbado.

Atualmente, o mundo a nossa volta nos causa perturbação.

Ansiedades, medos, inseguranças, crimes, epidemias, corrupção, competitividade, tudo conspira para que o coração caia em sentimentos desconexos.

A situação acontece, e o corpo já grita: o estômago gela, como se tivessem borboletas voando dentro dele; o coração se agita, descompassado; o ar parece faltar aos pulmões; os pensamentos se descontrolam, dominando-nos  a ponto de nos paralisarmos.

Como sentir a esperança nascer em um momento como esse?

Não se turbe o vosso coração, disse Jesus.

Para isso, é necessário que o nosso coração traga, antes desses momentos acontecerem, sentimentos positivos baseados no bem. O cérebro pensa o que o coração sente. Então é necessário colocar no coração, previamente, sentimentos positivos para que nas horas em que uma situação desagradável surja, possamos sentir o bem para pensarmos bem.

Por isso, o mais importante é agir no bem. Somente a ação no bem é capaz de colocar bons sentimentos no coração para que o cérebro pense bem.  Isso só pode ser feito por meio de boas leituras, bons filmes, bons estudos, pela prática da caridade, da oração e do evangelho no lar.

Jesus viveu a vida inteira agindo no bem, por isso ele tinha tamanha segurança no coração para que não se perturbasse diante da morte. A sua Fé no futuro, construída em cada ato esperançoso que tomara ao longo de sua existência, era maior do que qualquer insegurança.

Jovem! Ao lado de tanta coisa ruim que há no mundo, há uma quantidade igual, senão maior, de coisas boas. Para qual delas a sua atenção é chamada? Para acalmar o seu coração e a esperança nascer nele, leia bons livros, assista bons filmes, pratique a caridade, ore, frequente alguma religião, faça o evangelho no lar. Assim, dia a dia, momento a momento, situação a situação, você perceberá que aquela ansiedade que mora no estômago se tornará em uma agradável esperança. Parece que aquelas borboletas que moram no estômago ansioso se transferem para o coração. E lá, ao bater as asas, elas causam uma sensação muito melhor: a sensação de que coisas boas irão acontecer. E elas irão acontecer.

Vinicius Del Ry Menezes

CLOSE
CLOSE