JESUS E A COMPAIXÃO

JESUS E A COMPAIXÃO

12/03/2020 Juventude 0

Jesus se opôs a todos os tipos de crimes que eram cometidos. Essa oposição, porém, nunca foi feita de forma preconceituosa e agressiva, de modo a incentivar mais violência do que já era praticada.

A oposição que ele fazia se limitava a duas ações: ensinar o que era o certo e o errado, por meio de doces palavras; e amar, envolvendo agressor e vítima na doce e elevada energia de seu amor.

E Jesus fazia isso porque ele sabia que suas palavras atingiam a razão, mas o seu amor preenchia a carência afetiva e emocional que todos os seres humanos possuem. E ele sabia também que é justamente essa carência de amor que pode levar um ser humano a cometer os atos criminosos mais atrozes.

Como Jesus era um educador por excelência, ele sabia que para educar qualquer tipo de pessoa não bastava apelar para a razão, mas também para a emoção. E qual é a melhor forma para incentivar a emoção de alguém, senão pelo amor?

Por isso, Jesus disse: “o amor cobre a multidão de pecados”.

Ele disse que o amor cobre, não que o amor endossa, ou seja, apoia o pecado. Cobrir aqui é no sentido de estender-se. Isso quer dizer que o amor se estende por cima dos pecados. O que se estende, encobre. O que está encoberto tende a desaparecer, por estar sufocado. Essa é a lógica da frase. Portanto, ao afirmar que o amor cobre a multidão de pecados, ele dizia que somente o amor pode impedir que crimes atrozes sejam cometidos, pois esses crimes são substituídos por atos de compaixão, capazes de sufocar qualquer impulso criminoso.

Por isso, ele teve compaixão por todos.

Abraçava as crianças.

Abraçava as prostitutas.

Abraçava os criminosos.

Abraçava as vítimas.  

Abraçava os doentes.

Abraçava os pobres.

Abraçava os injustos.

Abraçava seus discípulos.

Abraçava a todos.

Abraçava até os samaritanos, povo odiado pelos judeus.  

Pregado em uma cruz, morreu de abraços abertos, como se quisesse abraçar a toda a humanidade.

Jesus sabia que o abraço sincero é uma das ferramentas mais poderosas para demonstrar compaixão em relação a uma pessoa.

Quantos jovens desiludidos não se alegraram, depois de um abraço de compaixão?

Quantos adolescentes deixaram de pensar em suicídio, depois de um abraço de compaixão?

Quantas vítimas de crimes bárbaros não foram consoladas, depois de um abraço de compaixão?

Quantos criminosos não se fortaleceram para enfrentarem as rudes provas de reparação após a condenação judicial, depois de um abraço de compaixão?

Quantas pessoas não choraram arrependidas, depois de um abraço de compaixão?

Quantas mulheres não desistiram de um aborto, depois de um abraço de compaixão?

Quantos homens não evitaram cometer algum crime, depois de um abraço de compaixão?

O amor cobre a multidão de pecados. O amor sufoca a dor. Eis o real significado daquela frase.

O abraço sincero é a expressão do amor em sua forma de compaixão. Compaixão não significa concordar com a atitude do outro, significa estar junto com o outro para ajudá-lo a enfrentar as consequências de seus atos, sejam essas consequências boas ou ruins.

Se todas as pessoas da humanidade tivessem mais compaixão umas com as outras, esse amor se estenderia e evitaria a enorme quantidade de crimes, erros e injustiças cometidas.

Jovem! Tenha compaixão com qualquer pessoa que cruze seu caminho. Todos nós, cedo ou tarde, precisamos da compaixão alheia. Ninguém é perfeito o suficiente que possa dizer que nunca errará na vida. Por isso, não julgue e nem condene ninguém. Todos agimos baseados em nossas carências afetivas. Por isso a compaixão pode mudar a humanidade, já que um pode ser o apoio emocional do outro em suas dificuldades. Apoie seus pais, sua família, seus amigos e professores. Abrace-os sinceramente. E você perceberá que, ao sentir compaixão pelo outro, as suas próprias carências serão cobertas por um amor que você não sabia que existe. 

Vinicius Del Ry Menezes

CLOSE
CLOSE