JESUS E A AGITAÇÃO

JESUS E A AGITAÇÃO

24/09/2020 Juventude 0

Jesus estava parado no meio do templo em Jerusalém, aguardando o retorno de seus discípulos. Em meio ao burburinho de pessoas que iam e vinham agitadas, ele observava a tudo calmamente.

Viu um homem tentando comer uma fruta enquanto andava apressadamente até que trombou em outro, deixou o fruto cair e continuou a passos largos rumo a algum compromisso.

Viu um grupo de jovens, carregando diversas bolsas, quase correndo, dirigindo-se para uma sala na qual Jesus sabia que eles teriam aula com um dos mais respeitos rabis do templo.

Viu também um rabi, andando em sentido contrário, empurrando quem estivesse a sua frente, tamanha a pressa com a qual percorria o pátio central do templo.

Viu uma mulher apressada, carregando diversas sacolas de couro de carneiro cheias de produtos alimentícios, tentando sair pelo portão.

Viu um grupo de homens que conversavam todos juntos ao mesmo tempo, cada um tentando se fazer ouvir e ter a palavra final sobre alguma disputa relacionada aos itens comercializados em uma barraca próxima.

Viu outro jovem correndo, completamente transtornado por alguma notícia que recebera.

A única coisa que Jesus não viu ali, naquele templo, foi alguém com atitude contemplativa, calmo, elevando os pensamentos e sentimentos a Deus.

Pressa, agitação, transtorno, desordem, perturbação, nervosismo, inquietação. Todos esses sentimentos estavam estampados nos rostos de todos que ali transitavam.

De repente, seus discípulos chegaram e, aproveitando aquele cenário para lhes dar uma lição, Jesus disse, apontando em torno:

– Venham para um lugar deserto e descansem um pouco.

Os apóstolos olharam em torno e entenderam a lição. Inclusive o apóstolo Marcos acrescentou em seu evangelho a seguinte explicação: “porque eram muitos os que vinham e iam e não tinham tempo nem para comer”.

Passados dois mil anos, a humanidade ainda não tem tempo nem para comer.

Homens agendam inúmeros compromissos diários para demonstrar eficiência profissional, sacrificando as horas de almoço, janta, sono e lazer, acreditando que dessa forma se tornarão insubstituíveis no trabalho.

Jovens, além das inúmeras tarefas escolares, assumem compromissos com aulas de línguas, artes, música, esportes e toda a espécie de cursos extracurriculares acreditando (ou levados a acreditarem) que esse é o caminho para um futuro profissional seguro.

Mulheres se sobrecarregam com as tarefas profissionais, com os cuidados com a casa e com os filhos, esquecendo-se de dividirem essas tarefas com os maridos, e até mesmos os filhos com idades em que já podem assumir determinadas responsabilidades, desgastando-se fisicamente e emocionalmente.

E toda essa pressa e agitação para quê?

Para que não entremos em contato com nós mesmos e nos conheçamos como somos.

Ao voltarmos toda a nossa atenção para as tarefas diárias, sejam elas trabalho, estudo, compromissos sociais, etc., evitamos olharmos para as nossas deficiências morais, nossas dificuldades íntimas, nossos medos, nossas frustrações.

Existem pessoas que tem medo da calmaria. Agem por impulso, tomando atitudes erradas, porque estão tão agitadas que não conseguem entender a situação como ela realmente é.

Daí a importância do repouso íntimo, da calma, da reflexão, pois assim restauramos não só as forças físicas, mas também a energia mental e também a força moral.

Por isso Jesus, regularmente, jejuava no deserto, pois essa era uma forma dele se reconectar com ele mesmo e com Deus. E é por isso que, quando os seus discípulos chegaram (eles vinham de uma longa viagem para propagarem os ensinos de Jesus), o Mestre pediu para que eles se afastassem daquela agitação e descansassem um pouco.

Jovem! Planeje momentos diários de reflexão em que você possa parar um pouco, respirar fundo, fazer uma oração, entender os seus sentimentos, conectar-se com você mesmo. O mundo já está cheio de pessoas apressadas que não sabem para onde estão indo. Não veja essa pausa como perda de tempo. Veja-a como um momento em que você pode planejar, de forma calma e inspirada por Jesus, os próximos passos de sua vida, tanto nos aspectos sociais quanto profissionais.

Vinicius Del Ry Menezes

CLOSE
CLOSE