JESUS E O VERÃO

JESUS E O VERÃO

07/01/2021 Juventude 0

Naquela madrugada quente de verão, sob um céu estrelado, Jesus voltava para casa, andando pelas ruas poeirentas de Nazareth. Apesar de ter apenas quinze anos, era comum Jesus sair à noite, autorizado pelos seus pais, para ajudar vizinhos doentes e inválidos.

Jesus andava pelas ruas de Nazareth com desenvoltura, pois conhecia a cidade toda. Embora soubesse quais locais eram os mais perigosos, naquela noite Jesus encontrou um grupo de adolescentes bêbados que se desviaram das ruas em que costumavam ficar.

Os jovens bêbados, a maioria da mesma idade de Jesus, promoviam confusão por onde passavam. Jesus parou para observá-los. Um deles batia nas portas de todas as casas. Outro chutava e quebrava os pertences que alguns moradores deixaram na rua. Dois deles praticavam atos lascivos a vista de todos. Uns três ou quatro dançavam de um jeito que nem parecia uma dança. Um já estava caído no meio da rua, desacordado.

O forte calor e o excesso de álcool pareciam deixá-los mais alucinados.

Calmamente, Jesus seguiu o seu caminho, que seria passar bem no meio do grupo.

Um dos jovens, que conhecia Jesus, ao vê-lo, gritou:

– Jesus! Veio beber com a gente! Jesus, Jesus, Jesus.

Jesus sorriu e continuou caminhando. Uma das garotas do grupo, ao ver que Jesus passava reto, gritou:

– Esse aí se acha melhor que a gente!

– Ele se acha filho de Deus – outro gritou.

Todos gargalharam com o sarcasmo.

Sem se abalar, Jesus aproveitou que passava ao lado do garoto bêbado caído no chão e colocou sua mão na testa dele. O garoto acordou no mesmo instante. Seu olhar cruzou com o de Jesus. Ele sentiu um misto de vergonha e gratidão.

Outro jovem perguntou:

– Jesus, se você é filho de Deus, por que você não aproveita a vida? Você pode ter tudo o que quiser. E até mesmo quem você quiser – e sorriu para uma das garotas do grupo.

Jesus olhou para todos e disse:

– De que adianta uma pessoa ganhar todo o mundo e perder a sua alma?

O silêncio se fez na noite. Aquela pergunta fez os jovens refletirem por alguns instantes. Enquanto refletiam, Jesus estendeu a mão e ajudou o garoto bêbado caído no chão a se levantar.

Um a um, os jovens começaram a se afastar.

O garoto bêbado apertou a mão de Jesus, num gesto de gratidão e também partiu.

Em silêncio, sob o céu estrelado e quente, Jesus voltou para casa.

Jovem! A metáfora que Jesus se utilizou é poderosa: perder a alma significa praticar atos que podem nos levar aos vícios, à arruaça, ao desrespeito e, em última instância, à criminalidade. Não confunda a diversão sadia como encontrar com os amigos, cantar, dançar, namorar, sair para comer, viajar, pegar uma praia, com licença para se corromper. Há uma enorme diferença entre se divertir e se corromper. Infelizmente, hoje, a linha que separa um do outro é muito tênue. Na dúvida, faça como Jesus faria.

Vinicius Del Ry Menezes

CLOSE
CLOSE