JESUS E A PAZ

JESUS E A PAZ

26/03/2020 Juventude 0

Na época em que Jesus vivia, as práticas a seguir eram muito comuns na sociedade:

Crianças brincavam de amarrar objetos pesados nos rabos dos cachorros e batiam com um pedaço de pau em suas costas, fazendo-os correr.

Adolescentes estudavam as leis de Moisés procurando brechas para não as cumprir ou justificativas para seus atos embaraçosos.

Maridos cobiçavam as esposas dos amigos e esposas atiçavam desejos inconsequentes em homens para conseguirem o que desejavam.

Chefes sobrecarregavam seus subordinados nas plantações.

Orgulhosos se davam maior importância do que realmente tinham, humilhando e assustando os simples trabalhadores.

Homens trabalhavam arduamente sob o sol escaldante para ganharem míseros trocados que mal pagavam o pão do dia.

Mulheres eram oprimidas dentro do lar por não realizarem as atividades domésticas de acordo com os desejos dos homens.

Homens mandavam. Mulheres e crianças obedeciam.

Brigas entre vizinhos, por questões estúpidas, terminavam em mortes.

Abortos eram realizados às escondidas.

Crianças bastardas eram abandonadas à própria sorte.

Suicídios eram praticados por diversas pessoas porque elas não encontravam um ombro amigo para chorarem.

Bêbados importunavam os moradores, gritando na rua altas horas da noite.

Professores corrompiam seus alunos com ideias mesquinhas.

Pessoas simples e de fé ardente eram exploradas financeiramente por falsos profetas.

Representantes religiosos manipulavam os ensinamentos de Moisés com o objetivo de manter a população com medo, ignorante e sob suas ordens.

Religiosos promoviam comércios ilegais dentro dos templos dedicados à oração e recolhimento.

Comerciantes, ávidos por lucros, roubavam os clientes pesando de forma errada as mercadorias.

Coletores de impostos perseguiam e humilhavam a população carente, que tinha dificuldade em pagar os tributos.

Políticos, representantes de Roma, se corrompiam, desviando o dinheiro dos impostos em benefício próprio.

Pobres eram escorraçados das vias públicas a pedradas como se fossem animais perigosos.

Perversos matavam animais com requintes de crueldade sob o pretexto de oferendas aos deuses.

Epidemias, de tempos em tempos, matavam a população.

Mulheres se prostituíam alegando que foram abandonadas por seus maridos.

Homens se vendiam, mas ostentavam uma aparência de caráter irrepreensível.

Perversões de todos os tipos eram praticadas em determinadas casas específicas para esses atos.

Invejosos lançavam calúnias e mentiras sobre pessoas corretas, levando-as aos tribunais penais na tentativa de ganharem dinheiro fácil.

Assaltantes espreitavam viajantes por todas as estradas.

Homens andavam armados sob o pretexto de se protegerem de criminosos, dispostos, eles mesmos, a se tornarem assassinos caso fossem assaltados.

O local em que Jesus viveu se assemelha muito com o nosso nos dias atuais: os mesmos problemas, os mesmos tipos de pessoas, os mesmos preconceitos, as mesmas práticas violentas daquela época estão presentes nesse momento. Por isso, os ensinamentos de Cristo são mais atuais do que nunca.

Apesar disso tudo, Jesus, um belo dia, disse aos seus discípulos: “a minha paz vos dou”.

Jesus viveu em paz, apesar daquela violência toda. Isso não quer dizer que ele concordava com aquelas atrocidades. Pelo contrário. Ele, mais do que ninguém, trabalhou para mudar a realidade.

Mas ele trabalhava em paz com ele mesmo e com o próximo. Nunca se exaltou, nunca se desesperou, nunca julgou e condenou uma pessoa, nunca xingou, nunca violentou, nunca levantou a voz, nunca fez nada que pudesse perder a própria paz. Manteve a própria consciência reta.

Paz não é um ambiente tranquilo. Paz é estar tranquilo independente do local em que se esteja.

Quando ele disse que dava a paz dele aos seus discípulos, Jesus ensinou que para resolvermos os nossos problemas, qualquer que sejam, precisamos primeiro estar em paz com nós mesmos para podermos pensar racionalmente e dentro dos mais altos princípios da justiça para com o próximo.

Jovem! Não espere que o mundo entre em paz para você se sentir em paz. O mundo só será um local pacífico quando cada um de nós nos tornarmos pessoas pacíficas. Para isso, precisamos estar em paz com a nossa própria consciência, agindo com respeito ao próximo e sem se preocupar se as atitudes dos outros estão corretas ou não. Cada um responderá pelos seus atos. Por isso, aja sempre no bem, pois assim a sua consciência sempre estará em paz com você. E quando você estiver em paz com você mesmo, você estará em paz com o mundo a sua volta.

Vinicius Del Ry Menezes

CLOSE
CLOSE